Amor, Imbatível Amor

Amor, Imbatível Amor

Divaldo Pereira Franco

Pelo Espírito Joanna de Ângelis


Durante o largo transcurso da História, psicólogos, teólogos, poetas, escritores, filósofos e estudiosos tentaram definir o Amor. Porém, o amor não se define, não se explica, simplesmente porque o amor se sente, se vive, manifesta-se na nossa vida.

O Amor, que vem do latim, amore, é um vocábulo polissêmico, ou seja, que possui várias definições. O Amor é simples, Madre Teresa de Calcutá já dizia que na vida podemos não realizar grandes coisas, bastam pequenas, mas com muito Amor.

O Amor é o sentimento por excelência, que resume a doutrina de Jesus. É o sol que nos aquece e que nos ilumina.

Neste livro, Amor, Sublime Amor, o nono livro da Série Psicológica de Joanna de Ângelis, através do médium Divaldo Pereira Franco, a Veneranda Mentora vem nos apresentar este sentimento sublime dizendo que o Amor é a substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por essência divina. É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se enriquece à medida que se reparte. Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Fixa-se com mais poder, quanto mais se irradia – orienta Joanna.

Nos 13 capítulos da obra, que se subdividem, a Benfeitora Espiritual que deu início a uma nova linguagem espírita fazendo correlação da psicologia convencional com a psicologia espírita, trata acerca de temas como: a dualidade do bem e do mal, os mecanismos conflitivos do ser, o vazio existencial, o sucesso e o fracasso, o significado do sofrimento na vida, os tormentos modernos, as doenças da alma, as incertezas e a busca psicológica, os transtornos contemporâneos, culminando com a vitória do amor.

Segundo Joanna, inevitavelmente, na vida do ser, momento surge, no qual há um despertamento para a emoção superior e o amor brota, a princípio como impulso conflitivo, para depois agigantar-se de forma excelente, preenchendo os espaços emocionais e liberando as tendências nobres.

Examinamos no presente livro, várias psicopatologias e conflitos hodiernos, recorrendo a admiráveis especialistas nessa área, a quem respeitamos, no entanto, colocamos uma ponte espiritual entre as suas terapias valiosas e o amor, conforme a visão espírita, herdada do Psicoterapeuta Galileu – prefacia a Instrutora Espiritual.

Esperamos que o leitor possa interessar-se pela leitura desta obra que fala-nos acerca do Amor sob várias angulações. No gênero, é o mais oportuno e profundo livro apresentado pelo Espiritismo através da mediunidade.

Jesus nos abençoe!

Wellerson Santos


(Artigo publicado no jornal Evangelho e Ação - Órgão de Divulgação da Fraternidade Espírita Irmão Glacus)

Palestra: A Felicidade

video

Palestra: A Felicidade
Fraternidade Espírita Irmão Glacus
Belo Horizonte/MG
Janeiro/2009

Entrevista: Juselma Coelho

Jesus, a Luz do Mundo

Juselma Maria Coelho emocionou o público abordando o tema: Jesus, a Luz do Mundo. Conforme está exarado em O Livro dos Espíritos na questão 625, Ele é o nosso guia e modelo. Em sua conferência, Juselma disse que a Doutrina Espírita mostra não um Jesus crucificado, mas um companheiro amigo, que caminha conosco e nos faz movimentar o bem. Ela acredita que se Jesus é a luz do mundo compete a cada um dos seres encarnados na Terra ser pequenos carregadores de tochas, tochas do Evangelho e da caridade, levando iluminação, mesmo que não seja tão forte. “É nossa responsabilidade agir dessa forma” - disse ela.

Está ligada a Doutrina Espírita em torno de 35 anos. Em 1973 frequentava o Centro Espírita Oriente como paciente e logo após, em 1974, começou a freqüentar o Centro Espírita Célia Xavier, onde se encontra até hoje. Desde 1980 trabalha também junto ao Centro Espírita Maria Nunes.

Atualmente, Juselma Maria Coelho, está no Conselho do Centro Espírita Célia Xavier, no Conselho do Hospital Espírita André Luiz, na direção da Sociedade Espírita Maria Nunes, na presidência do Conselho Espírita Municipal de Belo Horizonte. É interessante que por mais que eu busque outras áreas sempre acaba restando para mim a área administrativa dentro das Casas Espíritas e eu vejo que é um compromisso na área do passado” - disse ela.

Além de todo este trabalho, Juselma ainda realiza palestras em diversas Casas Espíritas do Brasil e do Exterior. Por diversas vezes a Fraternidade Espírita Irmão Glacus conta com a sua palavra amiga e enriquecedora. Recentemente escreveu o livro Linha Direta com Deus.

Com seu jeito doce e meigo, com seu jeito cativante de ser quando foi procurada e, prontamente nos atendeu, respondendo as questões que lhe foram apresentadas e que ora publicamos levando ao seu conhecimento, caro internauta.

Wellerson Santos (Wellerson): Jesus afirmou no evangelho de João, capítulo 8, versículo 12: “Eu sou a luz do Mundo”. Esta afirmativa para nós cristãos é de grande importância e nos oferece um roteiro realmente seguro para nossa existência. Mas como ficam neste caso as religiões não cristãs, como exemplo, o Budismo, o Judaísmo, o Islamismo que também possuem os seus grandes instrutores e mentores? Como encararmos esta situação na visão espírita cristã?

Juselma Maria Coelho (Juselma): Jesus afirmou: Eu sou a luz do Mundo com aquela convicção de quem sabe que é. Ele é. Mas em relação a ser a luz, nós seres humanos, ainda vemos esta afirmativa de uma forma limitada e condicionada a nossa capacidade de interpretação. Ser a luz não é simplesmente iluminar e ser uma referência para A, B ou C, ser a luz do Mundo é exatamente deixar que todo aquele conjunto de leis naturais, todo aquele conjunto de princípios de relações e de amor que sustentam o Mundo fossem vistos através Dele, naquela linguagem, naquela vivência natural. Certamente esta vivência das leis naturais, esta vivência dos princípios do amor, não só as religiões cristãs, mas todos aqueles que buscam de uma forma vivenciar estas leis que estão na consciência, passam a refletir esta luz que é Jesus, independentemente deles O terem abraçado como o grande líder, porque na verdade para o conhecimento cultural deles seria difícil ter Jesus como líder. Eles têm líderes e repetem em seus vários segmentos os princípios de amor, os princípios da lei natural que Jesus trouxe e reflete para todos nós. Jesus, porém, é a luz maior e é interessante que Ele não coloca um artigo indefinido, Ele coloca o artigo definido: Eu sou a luz do Mundo. E verdadeiramente Ele é o grande sol que ilumina todo o Mundo, todo este conjunto de planetas e seus similares, que fazem parte deste contexto. Ele é a luz maior que se multiplica através destes vários seguidores que podem ser interpretados e vivenciados de uma forma bem melhor pelos vários segmentos. Desta forma, a luz de Jesus se reflete neles e eles jogam e refletem nos grupos ou subgrupos que existem.

Wellerson: Por diversas vezes em seu Evangelho Jesus disse-nos: “Eu Sou”. Aqueles que buscam de certa forma anatematizar o Cristianismo encontram nestas palavras um meio de dizer que Jesus estava exaltando-se. O que entender exatamente com estes ensinamentos?

Juselma: É interessante notar que são sete afirmativas muito fortes: Eu sou a luz do Mundo; Eu sou o pão da vida; Eu sou o portal das ovelhas; Eu sou o caminho, da verdade e da vida; Eu sou a ressurreição da vida; Eu sou a vinha verdadeira; Eu sou o bom pastor. Nesta afirmativa ainda temos o qualitativo bom. Não é um pastor qualquer, é um bom pastor. Estas afirmativas de Jesus são muito fáceis de serem entendidas quando não estamos voltados para condicionamentos e para julgamentos antecipados diante da vida. Vejamos: você é um médico e está em um determinado local, de repente alguém adoece ou passa mal e perguntam: “Tem algum médico aqui, quem é médico?” Você que é medico, levanta a mão e diz: “Eu sou”. Você assume a sua condição, você que estudou, se preparou, que recebeu um diploma, um registro, que se habilitou a ser um médico e diante da dor você diz: “Eu sou, eu sou o médico”. Porque diante da necessidade não temos que titubear, diante daquilo que nós já conquistamos, por justa razão, pelo trabalho, pelo desempenho, pela nossa própria renúncia diante da vida em outras situações, não podemos nos esconder. Isto não é pretensão, isto é convicção. A convicção de amor, a convicção natural, de quem sabe que é, mas não se orgulha de ser. Simplesmente sabe de sua responsabilidade, de seu dever e cumpre. Quando Jesus diz: Eu sou a luz do Mundo, dentre outras afirmativas, Ele estava dizendo para todo o seu rebanho necessitado de socorro, necessitado de alívio para as suas dores, que Ele é o grande remédio, a grande luz para todos nós que caminhamos titubeando pela humanidade afora. Ele é a nossa referência. Não é pretensão, é convicção, Ele sabe que é e que tem o grande medicamento para todos nós.

Wellerson: No Monte das Oliveiras contam-nos os evangelistas que Jesus chorou e pediu ao Pai para que afastasse Dele aquele cálice. Como podemos entender esta atitude de Jesus, seria uma fraqueza diante dos percalços da vida?

Juselma: Absolutamente não. Falo isto com esta categoria e alguém pode me dizer: Mas você não estava lá. Porém, falo isso baseada em mim, em você, em nós, que estamos tentando lutar diante de tudo que se nos apresenta no Movimento Espírita. Por mais que haja momentos de dificuldades, momentos em que nos sentimos fragilizados, somos capazes de levar até o fim a nossa mala, a nossa bagagem, o nosso compromisso. Raríssimos são aqueles que no momento maior de fraqueza viram as costas e jogam fora as ferramentas e vão cuidar de suas vidas. A maioria daqueles que são altamente comprometidos, por mais difícil que seja a situação, mantêm e assumem até o final. Se na nossa fragilidade somos capazes de levar até o final, é óbvio que Jesus não estava naquele momento simplesmente pedindo a Deus que tirasse dele aquele compromisso. Naquele momento Ele deixa uma marca para todos, no sentido de que por maior que seja a nossa fé, a nossa convicção, vai acontecer um momento em que vamos titubear, mas não vamos cair, não vamos parar. Mesmo Jesus tendo solicitado ao Pai: “afasta de mim este cálice”, Ele permaneceu e foi até o final. Existe uma interpretação na tradução do Evangelho grego, que diz que não foi exatamente isso que Jesus afirmou. Teria sido uma interpretação ao pé da letra que fora feita aquela época. Entretanto, a nós espíritas não compete questionar o que vem há dois mil anos sendo ensinado. É claro que cada vez mais devemos buscar clarear a verdade, mas sem também criar polêmica para aqueles corações que custaram chegar até aqui. Acredito que houve realmente uma rigidez na interpretação, mas ao mesmo tempo dentro do que está escrito, acho que devemos entender que ficou a marca de um exemplo para todos, não no sentido de ter fraquejado, mas no sentido de se sentir mais sensível naquele momento. Quem sabe em vez de afastar, Ele não pediu forças para prosseguir, quem sabe Ele não estava pedindo para afastar o cálice da tentação, a tentação de largar tudo, de cair, porque muitas vezes as palavras são ditas de uma maneira figurada, e não somos capazes de saber qual é a ação vibratória que estava ali naquele momento, tentando tirá-Lo do seu caminho. Não somos capazes de imaginar embora passemos por isso às vezes. Estamos caminhando e somos balançados pelos processos obsessivos, que registramos e não temos forças de arrostar sozinhos, pedindo socorro. Será que não havia naquele momento ações das trevas tão fortes que Jesus pediu a Deus através de todos aqueles espíritos que o assistiam e estavam a sua disposição que eles criassem um espaço maior para a luz dando um espaço mais distante para que as trevas dessem uma trégua? Poderia ser assim a interpretação. É claro que o nosso coração vai deixando no respeito e no amor que temos a Jesus, divagar por situações das mais variadas, mas na convicção de que Ele não fraquejaria. Às vezes nos permitimos a pensar o que faríamos em situações como esta se fôssemos Jesus, mas na sua Infinita Luz certamente Ele faria muito e muito mais do que hoje poderíamos fazer.

Wellerson: Jesus viveu em prol da divulgação do amor ao próximo e por isto é, sem dúvida alguma, considerado a luz do Mundo. No entanto no transcorrer da História percebemos que sua proposta de amor foi mal compreendida e até utilizada como forma de ocultar outros interesses, como exemplo as guerras santas. Quais os motivos que levam a criatura humana a agir desta forma? E o que fazer para modificar?

Juselma: As criaturas têm um tempo para evoluir. Consultando O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo seis, item cinco, lemos o Espírito de Verdade dizendo que é tocado pela fragilidade imensa que ainda possuímos, pois estamos a caminho desta luz maior, sendo criaturas muito frágeis. Aqueles que se permitiram usar a mensagem de Jesus para interpretar a sua moda, a sua conveniência os seus ensinamentos, certamente ainda não tinham maturidade espiritual para entenderem com profundidade a sua mensagem. Entenderam-na de uma forma que fosse mais conveniente a eles, de uma forma que fosse mais favorável aos seus interesses. Mas o Mundo progride, e vamos notando que o número de pessoas que na atualidade tentam torcer a mensagem de Jesus é bem menor. Entendo que aquele convite de Jesus feito aos seus discípulos: “Vem e segue-me”, é feito a cada um, no nosso dia a dia, e enquanto espíritos, viajores de diversas romagens, recebemos este convite e não tivemos maturidade, não tivemos condições de entender a profundidade dele e por isto interpretamos a nossa maneira, a nossa moda, a mensagem que Ele trouxe. Entendo que de alguma forma deveríamos e poderíamos ter feito e ter sido diferentes. Não deveríamos ter usado de forma tão distorcida a mensagem de Jesus, mas na nossa imaturidade não fomos capazes de ter feito melhor. Possivelmente estes espíritos que usaram mal, que interpretaram mal o convite de Jesus, estão hoje no Movimento Espírita, tentando a luz da razão, do amor, da caridade, da fraternidade, do respeito, concertar os desacertos do passado. Graças ao grande princípio da reencarnação a interpretação do convite e da mensagem de Jesus vai sendo dentro do ritmo possível, dentro da maturidade de cada um, cada vez mais aprofundado. A luz vai arrastando-nos, cada vez mais, neste magnetismo estelar. Certamente, muitos que lá estivemos brigando por um pedacinho de terra chamada santa, hoje estamos “brigando” com muito amor pela conquista da terra individual dos nossos corações na transformação das nossas propostas interiores buscando esta luz maior.

Wellerson: Qual é a mensagem que a senhora deixa para os nossos internautas?

Juselma: Eu acompanho este jornal desde que começou. Venho recebendo todas as notícias e mantenho totalmente sintonizada com os trabalhadores e freqüentadores da Casa de Glacus, através dele e das minhas oportunidades de ir até a instituição. A mensagem que eu deixo é que prossigamos, por maiores sejam as dificuldades, por maiores sejam os desafios, por mais que tenhamos enfrentado no nosso dia a dia: barreiras, incompreensões, calúnias, seja o que for. Prossigamos buscando e seguindo Jesus, fazendo um esforço para cumprir os compromissos que temos para com Ele e com aqueles que são seus seguidores, que são os nossos mentores, que nos propiciam caminhos para entender melhor, conhecer melhor e praticar melhor: Jesus. Prossigamos, este é o convite que faço, este o convite que eu me faço a cada dia. Às vezes as dificuldades são tão grandes que me pergunto: “Será que dou conta?” E não ouso pedir a Deus para afastar de mim este cálice, porque sei o quanto devo. Jesus está sempre conosco e é preciso prosseguir, não adianta fugir, porque o nosso compromisso, e esta é a minha palavra final, vai estar onde estivermos e se fugirmos o compromisso que temos com a eternidade, com a vida, irá onde estivermos. Um abraço amigo a todos e que Deus nos fortaleça sempre. Muito obrigada!

Gostaríamos de agradecer a Juselma Maria Coelho pelo carinho e atenção que nos foram dispensados. Rogamos a Jesus que a abençoe e ampare no seu trabalho de divulgação da Doutrina Espírita. A você leitor, o nosso muito obrigado! Obrigado por estar nos acompanhando nesta trajetória. Esperamos que estes ensinamentos possam ser gotas de luz e de entendimento para o nosso coração e para a nossa mente.

Paz e Alegria!

Wellerson Santos


(Entrevista publicada pelo jornal Evangelho e Ação, órgão de divulgação da Fraternidade Espírita Irmão Glacus)

Amor, Imbatível Amor

Amor, Imbatível Amor

Divaldo Pereira Franco

Pelo Espírito Joanna de Angelis


Durante o largo transcurso da História, psicólogos, teólogos, poetas, escritores, filósofos e estudiosos tentaram definir o Amor. Porém, o amor não se define, não se explica, simplesmente porque o amor se sente, se vive, manifesta-se na nossa vida.

O Amor, que vem do latim, amore, é um vocábulo polissêmico, ou seja, que possui várias definições. O Amor é simples, Madre Teresa de Calcutá já dizia que na vida podemos não realizar grandes coisas, bastam pequenas, mas com muito Amor.

O Amor é o sentimento por excelência, que resume a doutrina de Jesus. É o sol que nos aquece e que nos ilumina.

Neste livro, Amor, Sublime Amor, o nono livro da Série Psicológica de Joanna de Ângelis, através do médium Divaldo Pereira Franco, a Veneranda Mentora vem nos apresentar este sentimento sublime dizendo que o Amor é a substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por essência divina. É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se enriquece à medida que se reparte. Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Fixa-se com mais poder, quanto mais se irradia – orienta Joanna.

Nos 13 capítulos da obra, que se subdividem, a Benfeitora Espiritual que deu início a uma nova linguagem espírita fazendo correlação da psicologia convencional com a psicologia espírita, trata acerca de temas como: a dualidade do bem e do mal, os mecanismos conflitivos do ser, o vazio existencial, o sucesso e o fracasso, o significado do sofrimento na vida, os tormentos modernos, as doenças da alma, as incertezas e a busca psicológica, os transtornos contemporâneos, culminando com a vitória do amor.

Segundo Joanna, inevitavelmente, na vida do ser, momento surge, no qual há um despertamento para a emoção superior e o amor brota, a princípio como impulso conflitivo, para depois agigantar-se de forma excelente, preenchendo os espaços emocionais e liberando as tendências nobres.

Examinamos no presente livro, várias psicopatologias e conflitos hodiernos, recorrendo a admiráveis especialistas nessa área, a quem respeitamos, no entanto, colocamos uma ponte espiritual entre as suas terapias valiosas e o amor, conforme a visão espírita, herdada do Psicoterapeuta Galileu – prefacia a Instrutora Espiritual.

Esperamos que o leitor possa interessar-se pela leitura desta obra que fala-nos acerca do Amor sob várias angulações. No gênero, é o mais oportuno e profundo livro apresentado pelo Espiritismo através da mediunidade.

Jesus nos abençoe!

Wellerson Santos


(Artigo publicado pelo jornal Evangelho e Ação, órgão de divulgação da Fraternidade Espírita Irmão Glacus)

Novos Rumos

O calendário terrestre marca o término de mais um ano e o início de outro delineando Novos Rumos.

O alvorecer de um Ano Novo é momento decisivo para a avaliação de rotas e idealizações de novos projetos.

Ano Novo, transformação interior!

Assenhoreiam-se do mundo terrestre espíritos dos mais diferentes matizes para a implantação da Nova Era.

Urge que cada um possa realizar a sua transformação a fim de dar a sua contribuição.

Amar mais, antes de ser amado.

Servir, antes de ser servido.

Perdoar incansavelmente quantas vezes se fizer necessário.

Vigiar e Orar.

Transformar e edificar Novos Rumos para a existência.

Feliz Ano Novo!

Muita paz!

São os votos de

Bezerra

(Mensagem psicografada pelo médium e orador espírita Wellerson Santos no dia 30 de dezembro de 2009).